Algumas vezes por mês, Bassam empurra um carrinho de compras pelos corredores de uma mercearia abastecida com sacos de arroz, uma pequena seleção de legumes frescos e outros alimentos básicos. Hoje ele está usando um suéter preto enfiado em jeans, que por sua vez são eles mesmos enfiados em botas altas de bezerro cobertas de lama. O Supermercado Tazweed, onde ele está fazendo compras, fica na periferia de um campo de refugiados de 75.000 pessoas na semiárida estepe jordaniana, a seis milhas e meia da fronteira com a Síria.

No caixa, o responsável registra o total, mas Bassam não paga em dinheiro ou com cartão de crédito. Em vez disso, ele ergue a cabeça para uma caixa preta e olha para o espelho e a câmera no centro. Um momento depois, uma imagem do olho de Bassam pisca na tela do caixa. Bassam recolhe o seu recibo – que diz “EyePay” e “World Food Program Building Blocks” na parte superior – e caminha para o caos do meio-dia do campo de refugiados de Zaatari.

Embora Bassam não saiba, sua visita ao supermercado envolve um dos primeiros usos do blockchain para ajuda humanitária. Ao deixar uma máquina escanear sua íris, ele confirmou sua identidade em um banco de dados tradicional das Nações Unidas, consultou uma conta da família mantida em uma variante do blockchain Ethereum pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA), e pagou sua conta sem abrir a carteira.

Iniciado nos primeiros meses de 2017, o Building Blocks, como o programa é conhecido, auxilia o PMA a distribuir ajudas do tipo “dinheiro-por-comida” a mais de 100.000 refugiados sírios na Jordânia. Até o final deste ano, o programa cobrirá todos os 500 mil refugiados no país. Se o projeto for bem-sucedido, poderá acelerar a adoção de tecnologias blockchain nas agências da ONU e além.

A Building Blocks nasceu da necessidade de economizar dinheiro. O PMA ajuda a alimentar 80 milhões de pessoas em todo o mundo, mas desde 2009 a organização passou da distribuição de alimentos para a transferência de dinheiro para pessoas que precisam de comida. Essa abordagem poderia alimentar mais pessoas, melhorar as economias locais e aumentar a transparência. Mas também introduz um ponto notável de ineficiência: trabalhar com bancos locais ou regionais. Para o PMA, que transferiu mais de US$ 1,3 bilhão em tais benefícios no ano de 2017 (cerca de 30% de sua ajuda total), as transações e outras taxas são dinheiro que poderia ter sido gasto em milhões de refeições. Os primeiros resultados do programa blockchain revelaram uma redução de 98% em tais taxas.

Se o homem por trás do projeto, o executivo do PMA Houman Haddad, for bem sucedido, o programa baseado em blockchain fará muito mais do que economizar dinheiro. Abordará um problema central em qualquer crise humanitária: como você consegue que as pessoas sem documentos de identidade ou uma conta bancária entrem em um sistema financeiro e legal em que essas coisas são pré-requisitos para conseguir um emprego e ter uma vida segura?

Possuindo sua identidade

Haddad imagina Bassam um dia saindo de Zaatari com uma espécie de “carteira digital”, preenchida com o histórico de transações do acampamento, a identificação do governo e o acesso a contas financeiras, tudo ligado por meio de um sistema de identidade baseado em blockchain. Com essa carteira, quando Bassam deixou o campo, ele poderia entrar com mais facilidade na economia mundial. Ele teria um lugar para um empregador depositar seu pagamento, para um banco ver seu histórico de crédito e para um agente de fronteira ou imigração verificar sua identidade, o que seria atestado pela ONU, pelo governo jordaniano e possivelmente até por seus vizinhos.

Tal registro, talvez armazenado em um telefone celular, poderia permitir que alguém como Bassam levasse seus dados da Síria para a Jordânia e além, com backup on-line em formato criptografado. Refugiados sírios usando esse sistema – e a maioria em Zaatari já tem smartphones – poderia recuperar identidades legais que foram perdidas junto com seus documentos e bens quando fugiram de suas casas. Neste cenário, Bassam poderia se mudar – para a Alemanha, ou de volta à Síria – e facilmente provar suas credenciais educacionais, demonstrar seu relacionamento com os filhos e obter um empréstimo para iniciar um negócio. (Na maioria dos países, sem um documento de identificação, você não consegue uma conta bancária e, sem uma conta bancária, não consegue um lugar para morar ou um emprego legal).

Se tal sistema existisse antes de Bassam deixar sua cidade natal de Daraa, ele poderia ter evitado Zaatari e se tornado um membro produtivo da sociedade jordaniana imediatamente. Mesmo que a Síria revogasse seu passaporte, ou se uma escola com a documentação de seus diplomas fosse bombardeada, um registro imutável de sua história ainda poderia facilitar sua entrada em um país adotivo.

Várias organizações já estão trabalhando em aspectos dessa ideia. Na Finlândia, uma startup de blockchain chamada MONI colaborou desde 2015 com o Serviço de Imigração Finlandês, dando a cada refugiado do país um cartão de crédito pré-pago – apoiado por um número de identificação digital armazenado em uma blockchain. Mesmo sem o passaporte necessário para abrir uma conta bancária na Finlândia, uma conta da MONI permite que os refugiados recebam benefícios diretamente do governo. O sistema também permite que os refugiados obtenham empréstimos de pessoas que os conheçam e confiem, ajudando-os a construir histórias de crédito rudimentares que possibilitem a obtenção de empréstimos institucionais no futuro.

Enquanto isso, empresas como a Accenture e a Microsoft estão se unindo a organizações sem fins lucrativos em uma aliança público-privada chamada ID2020. A missão é ajudar a alcançar a meta da ONU de fornecer uma identidade legal para todos, começando com 1,1 bilhão de pessoas que não têm nenhuma prova oficialmente reconhecida de sua existência.

No coração de tais sistemas está um conceito conhecido como “identidade auto-soberana”. Foi popularizado em 2016 por Christopher Allen, um tecnólogo americano, que delineou princípios para uma prova digital de existência de propriedade do indivíduo. Em tal esquema, a identidade seria portável e não dependente de qualquer estado ou autoridade central. E está crescendo o consenso de que um blockchain deve estar no centro.

Os blockchains, Allen me disse, são essenciais para esses sistemas de identidade porque resolvem problemas anteriormente “insolúveis”. Ao armazenar um identificador criptografado em um blockchain, é possível separar o sistema de autenticação dos dados de uma pessoa, ajudando a proteger a privacidade. Os sistemas de blockchain também são mais seguros do que os registros de identidade convencionais porque eliminam intermediários de terceiros. Eles podem ser mais fáceis de usar, e podem sobreviver a desastres que acabariam com sistemas de manutenção de registros mais centralizados.

O objetivo final é um sistema no qual um usuário possui e controla totalmente algum tipo de carteira digital – muito parecido com o documento físico que carregamos hoje em nossa documentação em papel. A carteira armazena afirmações feitas pelo usuário (como nome e data de nascimento), provas para essas alegações (como cópias de certidões de nascimento ou contas de serviços públicos) e validações de terceiros, conhecidas como atestados, que apoiam ainda mais as afirmações de um indivíduo (como uma confirmação do governo dos detalhes em uma certidão de nascimento). Essa carteira pode residir em um chip inteligente acoplado a um chaveiro ou algo parecido com um cartão de crédito, ou pode ser um enclave seguro dentro do telefone, como os já fornecidos por alguns fabricantes.

Leia mais:  O Relógio do Apocalipse, a dois minutos da meia-noite

Com a tecnologia certa, dizem Haddad e outros, um sistema de identificação de blockchain poderia cobrir muito mais reivindicações do que o tipo encontrado em licenças ou passaportes – afirmações como “maior de 21 anos” ou “cidadãos americanos”. Poderia, por exemplo, ajudar um refugiado a provar sua experiência profissional e suas conexões familiares.

Quem controla isso?

Vai demorar um pouco para que se alcance esse objetivo visionário. A ideia de Haddad para o Building Blocks era começar criando uma conta em uma blockchain para cada família de refugiados sírios em um campo jordaniano. As famílias não precisariam esperar dias para que os bancos locais transferissem seu dinheiro ou compartilhassem informações de identificação com os bancos, onde alguns funcionários inescrupulosos poderiam roubá-los ou utilizá-los de maneira inadequada. Enquanto isso, o PMA, em vez de encaminhar o dinheiro antes que ele seja gasto, pode contabilizar todas as compras de refugiados e pagar posteriormente as lojas participantes na moeda local. Isso é um grande negócio, já que mais de 30% da assistência da ONU é perdida para a corrupção.

Em um teste inicial da ideia de pagamento do Building Blocks no Paquistão, no entanto, as transações eram lentas e as taxas eram muito altas. Haddad decidiu que um dos problemas era que o sistema foi construído no blockchain público da Ethereum. A versão atual do Building Blocks – a que está em uso na Jordânia – é executada em uma versão “autorizada” ou privada do Ethereum.

Em um blockchain público, qualquer um pode entrar na rede e validar transações. Tal sistema dificulta que qualquer pessoa ou agência adultere ou falsifique transações, mas as taxas de transação tendem a se acumular. Em um blockchain autorizado, uma autoridade central decide quem pode participar.

A vantagem do sistema de permissão é que Haddad e sua equipe podem processar transações com mais rapidez e menor custo. A desvantagem é que, como o PMA controla quem entra em sua rede, ele também tem o poder de reescrever os históricos de transações. Em vez de cortar os bancos da equação, tornou-se essencialmente um.

Para Bassam e seus colegas refugiados em Zaatari, a distinção pode não importar. Bassam me disse que comprou mantimentos com uma varredura de íris mesmo antes da implementação dos Building Blocks, mas, nesse caso, um banco real lidou com a transação. E antes disso, ele tinha um cartão que o caixa escaneava, mas às vezes se desgastava, e podia levar semanas para substituí-lo. “O novo sistema funciona melhor”, diz ele.

“É um grande sucesso”, diz Haddad, que explica que reduz os custos e os riscos de compartilhar os dados dos refugiados, ao mesmo tempo em que melhora o controle, a flexibilidade e a responsabilidade do PMA. “Agora, se recebermos uma ligação que 20 mil pessoas estão chegando à noite, podemos ter tudo pronto para eles de manhã”, diz ele. “O jeito antigo teria levado duas semanas e requerido vales de papel.”

Mas como os Building Blocks são executados em uma blockchain pequena e autorizada, o escopo e o impacto do projeto são restritos. Tanto que alguns críticos dizem que é um truque e o PMA poderia facilmente usar um banco de dados tradicional. Haddad reconhece isso: “Claro que poderíamos fazer tudo o que estamos fazendo hoje sem usar blockchain”, diz ele. Mas, acrescenta, “minha opinião pessoal é que o objetivo final é a identificação digital, e os beneficiários devem possuir e controlar seus dados”.

Outros críticos dizem que os blockchains são novos demais para uso humanitário. Além disso, é eticamente arriscado fazer experiências com populações vulneráveis, diz Zara Rahman, uma pesquisadora baseada em Berlim na Engine Room, um grupo sem fins lucrativos que apoia organizações de mudança social no uso de tecnologia e dados. Afinal, a coleta em massa de informações de identificação e biometria tem sido historicamente um desastre para as pessoas em fuga. Pense no Holocausto, ou na mais recente limpeza étnica de Rohingya em Mianmar.

Uma questão de coragem

Em última análise, a questão com o Building Blocks ou qualquer sistema semelhante é se ele colocará a propriedade de IDs digitais nas mãos das pessoas representadas ou simplesmente se tornará um meio mais fácil para corporações e estados controlarem a existência digital das pessoas. Bob Reid, CEO de uma startup de identidade blockchain chamada Everid, disse que espera uma batalha sobre essa questão nos próximos anos. “Ou vai para indivíduos ou vai para grandes instituições que vão minerar nossos dados”, diz ele. Ainda assim, diz ele, a esperança é que a discussão se afaste de tal ou tal enquadramento.

A promessa real de usar blockchains pode não ser concretizada até que organizações como o PMA e a ONU tenham a coragem de abrir pelo menos partes do sistema para outras agências, e então dar o passo mais corajoso de todas e entregar a propriedade dos dados para beneficiários como Bassam, que atualmente tem pouco a dizer sobre o assunto, porque precisa estar no sistema se quiser comer.

Os Building Blocks poderiam, em teoria, conseguir isso se evoluíssem de acordo com a visão de Haddad. Por exemplo, o PMA poderia oferecer sua tecnologia a outros como um sistema básico de contabilidade, acompanhando os desembolsos de alimentos e, posteriormente, adicionando inscrições para propriedade da terra, credenciais educacionais e histórico de viagens. Se organizações externas sem fins lucrativos pudessem adicionar nós à rede do blockchain, poderia se tornar mais como um blockchain público, com suas vantagens de ser mais difícil de hackear porque é descentralizado e distribuído.

Caminhar por Zaatari, uma cidade movimentada que surgiu como uma maré de toda a humanidade que caiu sobre a fronteira com a Síria em 2012, mostra que será um teste severo para as ambições do Building Blocks. Logo depois das duas mercearias oficialmente sancionadas que aceitam pagamentos usando Building Blocks, há dezenas de vendedores ambulantes que administram abertamente o que são basicamente lojas do mercado negro que vendem de tudo, de alimentos a máquinas de lavar roupa a bicicletas antigas. Se o Building Blocks não puder ser adotado lá, fazendo com que as operações do PMA sejam um pouco mais eficientes e transparentes, então ela permanecerá sendo pouco mais do que  um banco de dados controlado centralmente, com um disfarce de confiança distribuída e descentralizada.


Publicado em MIT Technology Review. https://www.technologyreview.com/s/610806/inside-the-jordan-refugee-camp-that-runs-on-blockchain/

Traduzido por Marcel Artioli