Crédito da Foto: Wall Street Journal

No Chile, o último sábado, 11 de setembro, foi marcado por protestos pelo aniversário de 48 anos do golpe militar. Com bandeiras do Chile, do Partido Comunista e de outros grupos políticos de esquerda, centenas de pessoas marcharam no centro da capital, Santiago, perto do Palácio La Moneda. Os manifestantes prestaram homenagem e deixaram flores no monumento a Salvador Allende, presidente chileno morto no bombardeio militar à sede do governo em 11 de setembro de 1973. Com apoio dos Estados Unidos, o ataque encerrou o mandato do presidente socialista.

O professor Carlos Eduardo Carvalho, o coordenador acadêmico do NEAI, comenta sobre o 11 de setembro chileno e os impactos da experiência do governo Allende, a chamada “via chilena”, para a esquerda latino-americana.

Apresentação: Marcel Artioli

Autor(a)

  • O Núcleo de Estudos e Análises internacionais (NEAI), vinculado ao Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais (IPPRI) da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) busca dialogar com o mundo em que vivemos, com o sistema internacional de Estados, seus atores e processos, seus temas e problemas, e as ideias que nele circulam.

Leia mais:  #13 Na Venezuela, corte de mais seis zeros na moeda, dolarização crescente da economia e abertura para capitais privados na PDVSA, a gigantesca estatal do petróleo. Por Carlos Eduardo Carvalho